Sobre os acontecimentos trágicos na URSS de 1932-1933

Em 1932-1933, no vasto território da antiga URSS, desencadeou-se a grande fome que levou à morte e sofrimentos de milhões de pessoas.

Foi uma página trágica na história comum dos povos da União Soviética. A fome englobou a Ucrânia, sul da Bielorússia, Regiões de Volga e Dom, Kuban, Cazaquistão, Cáucaso do Norte, Ural do Sul, Sibéria Ocidental. Também sofreram de fome as pessoas na Ucrânia Ocidental, que naquela altura fazia parte da Polónia. Sofreram de fome russos, ucranianos, bielorussos, tártaros, basquires, cazaques, chuvaches e alemães de Povólgie. 

A política da coletivização forçada e industrialização acelerada causou fome por todo o país. De facto, assim revelou-se a crise de sistema da administração no setor agrícola que, afinal das contas, tornou-se uma tragédia para toda a União Soviética. 

Contudo, em 1933 o governo soviético prestava uma ajuda alimentar de grande escala ao povo na Ucrânia e Kuban.

A declaração conjunta dos países-membros da ONU, aprovada na 58a sessão da Assembleia Geral da ONU, deu a avaliação definitiva à esta tragédia, expressando compaixão aos milhões de russos, ucranianos, cazaques e aos representantes de outras etnias – vítimas da fome em 1932-1933.